Pular para o conteúdo principal

Amigos descobrem que são irmãos separados há mais de 30 anos em Natal

 Dois amigos descobriram, neste último mês de novembro, serem irmãos que estavam separados há mais de 30 anos em Natal. A revelação foi possível graças a uma pulseirinha de maternidade com o nome biológico da mãe e a uma investigação pela internet em busca dela (veja a reportagem acima)

Marcela Barbosa e Marco Medeiros são amigos há pelo menos sete anos. Os dois se conheceram numa casa de praia e depois passaram a fazer parte do mesmo círculo social.  

A relação de amizade se tornou de irmandade apenas no mês passado, após uma pesquisa quase que casual feita por Marco Medeiros, de 33 anos.

Ele conta que ia participar de uma promoção de uma empresa de chocolate e, para isso, precisava informar alguns dados para fazer um mapa astral. "Eu nem gosto muito de chocolate, mas alguma coisa me disse para ir lá", disse.

Marco sempre soube que foi adotado. Na pulseirinha entregue pela mãe adotiva, Ana Garcia, além da hora do nascimento, havia o nome da mãe biológica do filho, Licélia Carvalho.

"Dessa vez, eu tive a ideia de tirar uma foto da pulseira e, na mesma hora, fui pro computador, joguei o nome na internet, e numa rede social encontrei o único perfil que tinha esse nome. Não tinha informação, mas eu olhei em amigos em comum e foi aí que eu vi o perfil de Marcela"

Marco mandou uma mensagem à amiga: "Você conhece alguma Licélia Barbosa Carvalho?". A resposta de Marcela foi: "É minha mãe, por quê?".

Já impactado com a situação, ele então perguntou a Marcela se a mãe dela teria tido algum outro filho - e a nova resposta confirmou o parentesco. "Ela teve mais um e deu para uma família que não podia ter filhos", disse Marcela.

Não tinha condições'

Licélia Barbosa Carvalho, a mãe biológica dos irmãos, sempre sonhou em rever o filho. Abandonada pelo marido na gravidez de Marco, ela não contou com o apoio da família e, sem condições, optou por dar o filho à uma outra família

Minha mãe não me aceitava, porque dizia que eu já tinha uma filha pequena e não queria mais outro filho. Ai eu tive que doar ele, porque eu não tinha condições. Eu era doméstica. Morava com minha prima e ela não tinha condições de criá-lo também", contou.

"Eu pedi a Deus todo dia: não me leve antes de eu ver meus filhos unidos. Para um ajudar o outro, dar um força".

Ela diz que o dia mais difícil em todos os anos era o 26 de julho. "No aniversário, eu me desmanchava aqui lembrando dele. Era uma data muito maravilhosa em um ponto, em outro era uma data de tristeza"

Segundo Ana Garcia, mãe adotiva de Marco, ela já havia perdido dois filhos e então passou a pensar em adoção. Certo dia, soube que deixaram um recém-nascido na casa dela.

"Tinha uma menina, que trabalhava em uma cigarreira [banca], que estava aqui na porta. Ela mandou dizer que tinha chegado um menino aqui em casa. A menina que trabalhava aqui comigo disse que tinha chegado um menino muito chorão e que ela não o queria aqui. Ai eu disse: então você vá embora, que o menino vai ficar comigo".

A família adotiva de Marco sempre o incentivou a buscar informações sobre a mãe biológica, mas ele mesmo tinha receio de fazer isso no início.

Era medo de certa forma magoar meus pais. Eles não gostarem de eu ir atrás da outra família, poderiam achar que eu iria deixá-los de lado. Eu sempre ia empurrando com a barriga", disse Marco.

A nova irmã diz que a relação deles já parecia de parentesco mesmo antes da confirmação. "Eu sempre peguei no pé dele. Ele dava uma trabalhinho. E olhe que eu nem sabia. Imagine se eu soubesse que era o meu irmão, já tinha puxado a orelha faz tempo", diz Marcela.

G1 RN


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fuzileiro é encontrado morto dentro do Quartel em Natal

  Desaparecido desde a última quinta-feira, o soldado Herbert foi encontrado numa sala desativada do prédio da antiga 1ª Companhia. O militar foi encontrado ontem a tarde, o ITEP e a polícia civil foram acionadas. As primeiras informações dão conta de que pode ter sido um mal súbito. Ele estava deitado, sem perfurações de qualquer tipo e sem resíduos de drogas ou venenos no local. Herbert estava usando a sala do antigo prédio, sem autorização dos superiores, como sua casa. Ele era morador do quartel, o chamado "mexilhão crônico".  Segundo os peritos anteciparam, pelo estado de putrefação do corpo, o soldado estaria morto desde a noite de quarta para quinta da semana passada. Amigos do militar relataram que ele andava muito angustiado pelo fato de não ter obtido sucesso num concurso interno para cabo. Ficou triste, mas que não seria motivo para tirar a própria vida. "Ele fez a prova na minha sala, terminou rapidinho, em torno de meia hora. Parecia que não tava nem aí. Por

URGENTE: Bandido que matou filha de Wendel Largatixa morre em confronto nas Quintas

 Acabamos de receber a informação de que um dos autores da morte da menina Laura por nome TONINHO acaba de ser morto em confronto nas Quintas na rua Alípio Bandeira. Mas informação em breve Informações atualizadas de que teriam morrido mais duas pessoas no confronto.

Não venderei minha alma ao diabo

 Quando dei início ao projeto deste blog, definir algumas diretrizes que norteiam o funcionamento desta página. Uma questão, que acho primordial, principalmente nos tempos sombrios em que vivemos, diz respeito a ausência de postagens sobre a vida pessoal de quem quer que seja. Este sempre será um canal livre, iremos questionar, cobrar, reclamar e elogiar a vida pública das pessoas, jamais a vida pessoal.  Nada contra quem faz, sou leitor feroz de site de fofocas em geral, mas aqui, você não encontrará espaço para isso.  Ao longo desses 6 meses, conquistamos credibilidade. Não mudarei minha filosofia, para aumentar visualizações. Não farei mudanças no editorial para conquistar  números. Não estou disposto a mudar minhas convicções por fama.